o que é a esclerose múltipla

A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença neurológica autoimune, crônica e progressiva, que pode ser potencialmente incapacitante.1

Por ser autoimune, as células de defesa do organismo atacam as fibras das células do sistema nervoso central, causando a destruição de mielina, uma capa de tecido adiposo que envolve os axônios, uma parte do neurônio responsável pela condução dos impulsos elétricos, ou seja, a comunicação entre os neurônios e outras partes do corpo. Como consequência, os impulsos nervosos que transportam mensagens para o resto do corpo são transmitidos de forma mais lenta ou interrompidos.1,2

Com o tempo, esse processo inflamatório que ocorre dentro do sistema nervoso central forma cicatrizes na área afetada, de onde se origina o nome esclerose, que no latim significa múltiplas cicatrizes. Essas cicatrizes são resultados das lesões cerebrais e medulares, que como consequências geram algumas incapacidade e sequelas neurológicas nos pacientes2.

A esclerose múltipla é uma das doenças mais comuns do sistema nervoso central em adultos jovens e atinge de 2 a 3 vezes mais mulheres do que homens.3

Estima-se que hoje mais de 2.300.000 pessoas são portadoras de EM em todo o mundo2. Mais de 73 mil pessoas vivem com EM na América Latina, sendo 67% delas mulheres4. No Brasil, são cerca de 35 mil pessoas diagnosticadas.

O diagnóstico geralmente é feito entre os 20 e 50 anos de idade5, quando a pessoa apresenta alguns dos primeiros sintomas e quanto mais cedo for diagnosticada, menor será o impacto no progresso da doença.

conceito ilustrativo

conceito
causas

A EM (Esclerose Múltipla) não é uma doença contagiosa ou hereditária, embora possa ser determinada geneticamente, já que alguns genes que regulam o sistema imunológico, combinados com fatores ambientais, principalmente na fase da adolescência, funcionam como “gatilhos”.6, 7 Mas todas essas hipóteses ainda estão sendo estudadas e não foram confirmadas.

Embora a causa da doença ainda seja desconhecida, a EM tem sido foco de muitos estudos no mundo todo, o que tem possibilitado uma constante e significativa evolução na qualidade de vida dos pacientes.7

O que são os surtos?

A EM (Esclerose Múltipla) é caracterizada por surtos,8 um episódio relativamente súbito de novos sintomas ou piora dos sintomas de esclerose múltipla existentes, que duram por 24 horas na ausência de febre.

Para ser considerado um novo surto é necessário que haja um intervalo mínimo de 30 dias entre eles - caso contrário, considera-se o sintoma do mesmo surto em andamento. E não deve haver outra explicação para o aparecimento de sintomas como uma infecção ou um aumento da temperatura corporal.

Durantes os surtos, o paciente pode apresentar qualquer um dos sintomas da EM, isso irá depender da área do sistema nervoso central que foi afetada.9

como diagnosticar

Diagnosticar a Esclerose Múltipla na fase inicial pode ser desafiador, já que os primeiros sintomas são sutis e somem após alguns dias. Além disso, outras doenças inflamatórias e infecciosas podem apresentar sintomas semelhantes.10

Atualmente, não existem sintomas, características físicas ou testes laboratoriais que, sozinhos, possam determinar se uma pessoa tem ou não a Esclerose Múltipla.11

E mesmo quando uma pessoa mostra um padrão “clássico” de sintomas semelhantes aos da EM, o neurologista adota critérios para chegar a um diagnóstico clínico. O principal são os critérios de McDonald (2017)11, 12, como por exemplo:

  • Duas áreas diferentes do sistema nervoso central devem estar afetadas;
  • Os sintomas devem ter sido sentidos pelo menos em duas ocasiões distintas, com pelo menos um mês de intervalo, confirmado por um mapeamento de imagem de ressonância magnética (RM) mostrando as áreas de desmielinização do sistema nervoso central;

Para um diagnóstico preciso é importante aliar o conhecimento médico, o histórico do paciente e exames físicos, neurológicos e laboratoriais, sendo o principal exame a:

  • Ressonância Magnética de crânio e coluna (medula espinhal), uma das principais ferramentas para o diagnóstico da doenças desmielinizantes do Sistema Nervoso Central.10

ressonancia-magnetica

Assim que a doença é diagnosticada, pode-se identificar o tipo de EM baseado no padrão dos sintomas– se a pessoa teve surtos, remissões ou se os sintomas pioraram progressivamente.

O importante é lembrar que o diagnóstico precoce faz toda a diferença, aumentando as chances de modificar o curso natural da doença a longo prazo, reduzindo o número de surtos, de lesões e de sequelas neurológicas. E, por consequência, contribuindo para a qualidade de vida dos pacientes.

Por isso, estamos aqui hoje! Para colaborar com informações e ajudar cada vez mais pessoas a conseguirem o diagnóstico precoce por meio do conhecimento.

Saiba mais sobre tratamentos e cuidados multidisciplinares - clicando aqui

tipos de apresentações clínicas

A EM se apresenta de maneiras diferentes em cada pessoa, mas basicamente existem 3 tipos de apresentações clínicas10

BR-MULNI-00023 – JUL/2020

Referências:

  1. Merck Brasil Referências, Abem / Esclerose Múltipla, O que É, Disponível em
    http://abem.org.br/esclerose/o-que-e-esclerose-multipla/
    Acesso em 9 de jul.2020
  2. Merck Brasil Referências, Amigos Múltiplos pela Esclerose / Esclerose Múltipla, O que É, Disponível em
    https://amigosmultiplos.org.br/esclerose-multipla/o-que-e/
    Acesso em 7 de jul.2020
  3. Merck Brasil Referências: National Multiple Sclerosis Society – Gender Research, Disponível em
    https://www.nationalmssociety.org/Research/Research-We-Fund/Past-Research-Efforts#section-2
    Acesso em 8 de jul.2020
  4. Merck Brasil Referências, CRA analysis of data from GBD 2016 Multiple Sclerosis Collaborators (2019). Global, regional, and national burden of multiple sclerosis 1990–2016: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2016, Disponível em
    The Lancet. 18: 269-85
  5. Merck Brasil Referências: National Multiple Sclerosis Society – Who Gets EM, Disponível em
    https://www.nationalmssociety.org/What-is-MS/Who-Gets-MS
    Acesso em 9 de jul.2020
  6. Merck Brasil Referências, Amigos Múltiplos pela Esclerose / Causas Da Esclerose Múltipla, Disponível em
    https://amigosmultiplos.org.br/esclerose-multipla/causas/
    Acesso em 7 de jul.2020


  1. Merck Brasil Referências, Abem / O que é a Esclerose Múltipla, Disponível em
    http://abem.org.br/esclerose/o-que-e-esclerose-multipla/
    Acesso em 9 de jul.2020
  2. Merck Brasil Referências, Amigos Múltiplos pela Esclerose / Surto, Disponível em
    https://amigosmultiplos.org.br/esclerose-multipla/surto/
    Acesso em 7 de jul.2020
  3. Merck Brasil Referências, Abem / Como Ocorrem os Surtos, Disponível em
    https://amigosmultiplos.org.br/esclerose-multipla/surto/
    Acesso em 9 de jul.2020
  4. Merck Brasil Referências: Abem – Associações de Esclerose Múltipla / Diagnóstico, Disponível em
    http://abem.org.br/esclerose/diagnostico/#diagnostico
    Acesso em 8 de jul.2020
  5. Merck Brasil Referências: National Multiple Sclerosis Society - Symptions-Diagnosis, Disponível em
    https://www.nationalmssociety.org/Symptoms-Diagnosis/Diagnosing-MS
    Acesso em 8 de jul.2020
  6. Merck Brasil Referências: Amigos Múltiplos pela Esclerose / Diagnóstico, Disponível em
    https://amigosmultiplos.org.br/esclerose-multipla/diagnostico/
    Acesso em 8 de jul.2020